Economista cria site para compra e venda de empresas pela internet

Por Filipe Oliveira
Rafael Moschetti, 31, criador do site Invoop
Rafael Moschetti, 31, criador do site Invoop

O economista Rafael Moschetti, 31, conta que quase foi vítima de um golpe quando tentou vender uma empresa pela internet.

Depois, ao entender melhor como o segmento de fusões e aquisições de empresas funcionava, passou a atuar como analista financeiro em operações desse tipo.

Agora, ele quer juntar suas boas e más experiências no segmento para tornar a compra e venda de empresas pela web algo relevante no mercado.

Moschetti lançou há três meses o site Invoop, no qual quem quer vender sua empresa pode fazer anúncios gratuitos.

Como procedimentos de segurança, a plataforma avalia os cadastros de empresas e compradores a partir de redes sociais, e-mail e códigos de validação para celulares.

“Se eu quero vender um carro, um imóvel, um celular ou qualquer outro objeto usado, existe um site para isso. Por que não uma plataforma como essa para quem quer comprar ou vender uma empresa?”

No site, é possível encontrar anúncios de restaurantes mexicanos, mecânica, frigorífico, rede de postos de gasolina, operadora de cartões de crédito, entre outros.

SIGILO

O vendedor define o quanto de informação quer deixar disponível a todo o público do site. Ele pode ou não revelar dados como faturamento, vantagens competitivas e qual a proposta que deseja, diz Moschetti.

A opção por quanto revelar depende da estratégia de negociação e da situação da companhia, explica.

“Se a pessoa quer contar tudo logo, por estar desesperada para vender, pode. Se quer sondar o mercado e descobrir que propostas recebe de um modo mais privado, também pode.”

CRÉDITOS

Enquanto o anunciante usa o site da Invoop gratuitamente, o comprador precisa comprar créditos para entrar em contato com as companhias anunciadas.

O pacote mínimo, que dá direito a três contatos com vendedores, sai por R$ 19,90.

Para investidores profissionais, há pacote que permite contatos ilimitados, por R$ 200 ao mês.

QUER CONVERSAR?

Quando um comprador demonstra interesse em uma empresa, o responsável pela companhia que está à venda recebe informações básicas sobre ele (exceto nome).

Se houver interesse, o vendedor autoriza que dados mais completos e contato sejam fornecidos.

A partir daí, as negociações podem ser travadas fora do site.

DESENCONTROS

As dores de empresários e investidores que estão no mercado de fusões e aquisições foram sentidas pela primeira vez por Moschetti há cinco anos.

Ele conta que queria vender um restaurante japonês que possuía. Como estava difícil encontrar compradores, decidiu expor sua empresa no MercadoLivre.

Quase fechou negócio com uma pessoa que se dizia filho de Ministro da Fazenda do Haiti.

No final, ele desconfiou e buscou um corretor especializado no segmento de aquisições de empresas. Com a ajuda, conseguiu vender a companhia para outra pessoa, de histórico mais verossímil.

Moschetti afirma que gostou do funcionamento desse tipo de negociação. Entrou nesse mercado, atuando como analista financeiro, conta.

Em seu trabalho, descobriu que cuidar de negociações, análises contábeis e procedimentos jurídicos das aquisições era fácil. Complicado era encontrar um comprador ideal para cada empresa à venda.

A missão incluía ligar para empresas e tentar conseguir reuniões com diretores e sócios para mostrar a eles as companhias que estavam disponíveis.

A plataforma na web que ele criou seria uma forma de colocar as empresas em uma vitrine, em que os investidores as encontrassem mais facilmente.

No ar há três meses, o Invoop recebeu cerca de 530 anúncios. Na plataforma, estão desde pequenas empresas até companhias que querem um comprador que pague mais de R$ 100 milhões por ela, diz Moschetti.

CONCORRÊNCIA

Além da Invoop, outros sites já vêm explorando o mercado.

O Brasil Empresa, por exemplo, possui mais de 4.600 anúncios. O serviço é pago pelo anunciante, e o plano mensal básico custa R$ 69,90 ao mês. A empresa também oferece serviços complementares para quem deseja fazer negócios e dá acesso a rede de corretores parceiros.
ESPECIALISTA

Marcelo Nakagawa, professor do Insper, afirma que há espaço para o desenvolvimento de start-ups no segmento de compra e venda de empresas, especialmente oferecendo serviços para as de menor porte.

Enquanto as operações de fusões e aquisições de grandes companhias são feitas de forma mais profissional e padronizada, (geralmente com a participação de bancos de investimentos), as empresas menores formam um mercado em que é muito mais difícil localizar oportunidades.

Além disso, em geral, donos de pequenas empresas são menos acostumados a essas operações, muitas vezes fazendo apenas uma do tipo durante toda a vida, diz.

Encontrar a empresa para adquirir é apenas o primeiro passo, segundo Nakagawa. Para fazer um bom negócio, é preciso de ajuda de especialistas para cuidar de questões financeiras, contábeis e jurídicas, explica.

5 DESAFIOS PARA COMPRAR E VENDER

1) Achar um bom negócio
São muitas empresas a venda e pessoas dispostas a investir. Difícil é fazer as duas partes se encontrarem

2) Mostrar que tem futuro
Para ser vendida por um valor justo, a empresa deve estar com seu plano de negócios em dia, apresentando seu potencial para quem quer investir

3) Saber quanto vale
Não basta pegar o faturamento da empresa e multiplicá-lo por um número mágico. Para saber quanto uma empresa vale, é preciso levar em conta métodos financeiros de avaliação de empresas

4) Checar se não há perigo
Advogados e contadores devem verificar o passado da empresa a ser vendida, para diminuir o risco de ela deixar armadilhas para o novo dono, como um processo trabalhista

5) Negociar
O valor final de uma venda de empresa Depende de muita conversa para definir condições como preço, prazo de pagamento e cláusulas contratuais, que exigirão concessões de ambos os lados