Médico cria site de agendamento de consulta a preços populares

Por Filipe Oliveira
Marcus Vinicius Gimenes, presidente do consulta do Bem
Marcus Vinicius Gimenes, presidente do consulta do Bem

Os sócios da start-up Consulta do Bem acreditam que uma mudança cultural pode permitir atendimentos médicos mais baratos: o agendamento e pagamento de consultas antecipadamente, pela internet.

O cirurgião cardiovascular Marcus Vinicius Gimenes, 35, cofundador e presidente da empresa, afirma que isso eliminaria da rotina dos profissionais a grande quantidade de faltas de pacientes que agendam consultas e não aparecem (30% do total, segundo ele) e um desequilíbrio entre horários muito movimentados e outros ociosos nos consultórios.

“As clínicas vem lidando com a ausência de pacientes fazendo ‘overbooking’ (marcando mais pacientes do que conseguem atender), sabendo que muitos não vão aparecer. O problema é que, no dia em que todos os que agendam aparecem, a clínica fica lotada.”

Para tentar ganhar mercado solucionando esses problemas, a empresa oferece desde novembro de 2015 uma plataforma de agenda eletrônica na internet, na qual permite a médicos disponibilizar seus horários mais ociosos a preços populares (entre R$ 58 e R$ 150).

No site e nos aplicativos da empresa, pacientes encontram profissionais próximos a eles cadastrados no serviço e seus horários disponíveis.

O paciente faz o agendamento pela rede e paga na mesma hora, via cartão de crédito.

Gimenes conta que, desde o início da empresa, foram realizadas cerca de 1.500 consultas a partir de agendamentos on-line. Desses, não houve nenhuma falta de paciente.
E, mesmo se tivesse acontecido, o médico receberia o pagamento normalmente, diz.

Do valor pago pelas consultas, a empresa fica com comissão que varia entre 4% (para médicos que disponibilizam mais de 100 horários por mês) e 10% (menos de 50 horários mensais).

O médico afirma acreditar que médicos vão aderir ao serviço e dar descontos para seus pacientes tanto como forma de aproveitar melhor horários que estavam sendo desperdiçados como também para dar acesso ao consultório para pessoas com menor poder aquisitivo durante alguns períodos da semana.

Pela plataforma da empresa, cerca de 250 atendimentos vêm sendo agendados por mês. O Consulta do Bem conta com 1.100 pontos de atendimento cadastrados (entre médicos e clínicas) em oito Estados.

Para o desenvolvimento da start-up, os quatro sócios da empresa investiram R$ 1,25 milhões. Estão negociando novas injeções de capital com novos investidores.

 

LEITOR

Quer ler  mais histórias e dicas sobre empreendedorismo? curta o Plano de Negócios em www.facebook.com/blog.planodenegocios.

Envie seu comentário e sugestão para plano.folha@gmail.com.