Novos serviços prometem ajudar eleitor a escolher candidatos

Por Filipe Oliveira
Raphael Fenelon, 26, diretor de inovação da Leapps
Raphael Fenelon, 26, diretor de inovação da Leapps

 

As eleições municipais deste ano, que acontecem no próximo domingo (2) trouxeram oportunidades para novas empresas que querem facilitar a vida dos eleitores que ainda não sabem em quem votar.

A Leapps, desenvolvedora de soluções baseadas em big data (análise de grandes volumes de informação), lançou em setembro o Govern, um aplicativo para smartphones que permite aos eleitores encontrar o perfil dos candidatos e políticos em exercício de sua região.

Para isso, o aplicativo usa informações públicas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre os cerca de 482 mil candidatos que irão concorrer a um posto neste ano.

Cada candidato tem uma página própria, em que são informados dados básicos (idade, estado civil e número na eleição) e seu patrimônio declarado.

Usuários do serviço, que usam suas contas em redes sociais para acessá-lo, também podem dar sua opinião em ranking que mede a qualidade das propostas do político.

Para candidatos a cargos executivos, o aplicativo dá acesso aos planos de governo e a um mural para conversas entre eleitores.

“O que a gente queria era fazer uma ferramenta que desse as pessoas mais conhecimentos para definição de seu voto. E, no futuro, queremos que ela faça o caminho inverso, permita que a população coloque suas necessidades ali para os governos conhecerem”, diz Raphael Fenelon, 26, diretor de inovação da empresa.

Fenelon conta que o uso do aplicativo deve se manter gratuito para candidatos e eleitores. Ele espera que o projeto dê retorno financeiro a partir da comercialização de informações geradas pela plataforma para empresas de marketing político.

SUGESTÕES

Outro aplicativo, O Política na Mão, lançado em agosto, tenta combinar o desejo de eleitores com as promessas dos políticos para oferecer sugestões de candidatos .

Para isso, eleitores respondem a questionários onde apontam suas prioridades em diferentes áreas (saúde, segurança e acessibilidade, por exemplo).

A seguir, veem quais são os políticos que responderam perguntas semelhantes a partir do serviço e que têm ideias que combinam mais com as opções suas.

Giovanni D’Assumpção, 26, um dos criadores do aplicativo, conta que cerca de 15 mil políticos estão disponíveis para indicação.

A empresa também pretende criar ferramentas para promover a interação entre eleitores e candidatos após a votação. D’Assumpção afirma que quer manter o serviço gratuito e, para poder fazer isso, busca patrocínios.

Giovanni  ’Assumpção, Lu Assunção e Leandro Assunção, criadores do Política na Mão
Giovanni ’Assumpção, Lu Assunção e Leandro Assunção, criadores do Política na Mão

SANTINHO

Outra empresa que encontrou oportunidades na política foi a Midiacode, companhia iniciante que possui escritório no Cietec (incubadora de negócios ligada à USP).

A empresa possui serviço para a criação de QR codes, código similar ao de barras, mas formado por quadrados. Quando localizados por câmeras de smartphone com aplicativo capaz de fazer sua identificação, eles dão acesso a conteúdos pré-definidos.

Robson Lisboa, 45, fundador e conselheiro da companhia, conta que cerca de 25 políticos procuraram a empresa para desenvolver santinhos que viessem com os códigos impressos.

Dessa forma, interessados em saber mais sobre o candidato podem acessar o santinho digitalizado, encontrar informações complementares e divulgar o material em redes sociais.

“Gasta-se muito papel nas  eleições imprimindo material com pouquíssima informação. No formato eletrônico, é possível oferecer muito mais”, diz Lisboa.

 

LEITOR

 

Quer ler mais sobre empreendedorismo? Curta o blog em www.facebook.com/blog.planodenegocios.

Você também pode enviar comentários e sugestões para plano.folha@gmail.com.